Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

No comando: BAGACEIROS 93 – ELAMPIO E ZÉ DO BALDE

Das 05:00 às 07:00

No comando: BOM DIA PRINCESA COM BRUNO MEIRELES

Das 07:00 às 09:00

No comando: PROGRAMA SÓ O FILÉ COM NEL FERNANDES

Das 09:00 às 12:00

No comando: EU GOSPEL DE VOCÊ COM RAILSON

Das 13:00 às 14:00

No comando: NA PRESSÃO COM ADRYANA RAKEL

Das 15:00 às 17:00

imagem-programa-caldeirao
No comando: CALDEIRÃO DO RISO COM MARICOTA SHOW

Das 17:00 às 19:00

No comando: SAUDADE SERTANEJA COM GLEIDSON TEXANO

Das 20:00 às 22:00

No comando: RITMUS 93 COM ANDERSON PESSOA

Das 22:00 às 00:00

Primeira MP de Bolsonaro exclui LGBTs de políticas de Direitos Humanos

Compartilhe:
imagem_noticia_3

A  Medida Provisória 870, primeira assinada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), retirou da política de Direitos Humanos a ser implementada pelo novo governo todas as ações destinadas à garantia de direitos de gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e demais grupos LGBTs.

O novo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado pela ministra Damares Alves, não terá uma estrutura específica para a comunidade, como havia na pasta de Direitos Humanos. A MP foi publicada no Diário Oficial da União (DOU).

A medida assinada por Bolsonaro expõe as mudanças na estrutura dos ministérios. Após as novas definições, nas diretrizes destinadas à promoção dos direitos humanos estão incluídos explicitamente as “mulheres, criança e adolescente, juventude, idoso, pessoa com deficiência, população negra, minorias étnicas e sociais e Índio”.

A pasta de Damares deixou de abrigar a comunidade LGBT, que antes era citada na estrutura da Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa.

Até o momento, a pauta LGBT não foi direcionada a nenhuma secretaria. Caso possua alguma estrutura de gestão, poderá ficar sob a tutela dos seguintes órgãos: Secretaria Nacional de Proteção Global e Secretaria Nacional da Família.

O Conselho Nacional de Combate a Discriminação continua, mas de acordo com o decreto tem a função de formular e propor diretrizes de ação governamental. A execução de ações para a população LGBT depende de pastas especificas que ainda não foram definidas.

Fonte: JORNAL METRÓPOLES

Deixe seu comentário:

Curta no social